Arquivo

Archive for the ‘Tecnologia’ Category

Win a Harley!

7 de novembro de 2012 Deixe um comentário

Ok, se precisavam de um incentivo para os devs colocarem a mão na massa, acho que nessa a Microsoft Acertou. God, é uma Harley e pode ser sua! E aí, o que estão esperando? Uma imagem vale mais do que mil palavras certo? Então toma:

E Aproveitem para gerar uma versão pro Windows Phone 8. Vocês vão se espantar em ver que as modificações são mínimas e você pode ser aproveitar dos mais de 10 milhões de donos de Windows Phones atuais e abrir a possibilidade de botar mais uma graninha no bolso 🙂

Regulamento: http://msdn.microsoft.com/pt-br/jj721636

Melhor do que isso só um Camaro Amarelo que vira robô 😉

Anúncios

Silverlight, Music and Me.

1 de outubro de 2012 Deixe um comentário

Olá pessoal,

Dando um tempo nas viagens, vim retirar algumas teias de aranha do blog 🙂
O bom dos treinamentos é que você colhe feedback diretamente dos devs; E surgiu uma que ao invés de mandar somente para o aluno,
resolvi postar e compartilhar com todos. Como botar música no Silverlight.

Na verdade a dica em questão serve para diversos formatos de Media, não somente músicas, mas vamos focar no mais básico.

Então, vamos ao passo a passo:

1 – Inicie um novo projeto de Windows Phone Application

2 – Na sua MainPage.xaml, troque o Grid do ContentPanel por um StackPanel.

3 – Adicione no escopo do StackPanel a seguinte tag:

<MediaElement

x:Name=”media”
Source=”Music/elecman.mp3″
CurrentStateChanged=”media_state_changed”
Width=”300″ Height=”300″/>
<Button Content=”Play” Click=”Button_Click” />
<Button Content=”Pause” Click=”Button_Click_1″ />

4 – Adicione 2 botões para manipular o MediaElement. O aspecto final do ContentPanel no Xaml vai ser esse aqui:

<!–ContentPanel – place additional content here–>
<StackPanel x:Name=”ContentPanel” Grid.Row=”1″ Margin=”12,0,12,0″>
<MediaElement
x:Name=”media”
Source=”Music/elecman.mp3″
CurrentStateChanged=”media_state_changed”
Width=”300″ Height=”300″/>
<Button Content=”Play” Click=”Button_Click” />
<Button Content=”Pause” Click=”Button_Click_1″ />
</StackPanel>

5 – No caso, criei uma pasta no projeto chamada “Music” e coloquei o “elecman.mp3” nela. É, o tema da fase do Elecman, do jogo Megaman 😀

Referenciei esse mp3 no “Source” do MediaElement

6 – Gere os EventHandlers no código. Para isso, basta clicar com o botão direito em cada um dos eventos do Xaml, e clicar em “Navigate To Event Handler”

7 – Já no código, coloquei assim:

private void media_state_changed(object sender, RoutedEventArgs e)
{
MessageBox.Show(“State Changed”);
}

private void Button_Click(object sender, RoutedEventArgs e)
{
media.Play();
}

private void Button_Click_1(object sender, RoutedEventArgs e)
{
media.Pause();
}

Build, run and enjoy 🙂

O Ecossistema

13 de março de 2012 Deixe um comentário

Semana passada foi lançamento do “novo” iPad. O Tablet, que já era animal, ganhou mais umas “cositas” que o tornou ainda melhor. A resolução, o gerenciamento das fotos. Mas o que estava de olho mesmo era no lancamento da Apple TV. Principamente depois do anúncio recente do Mountain Lion pro Mac. Por quê? Pelo ecossistema que a Apple está cada vez mais correndo atrás. Porque eles sabem que esse é o futuro da tecnologia na vida das pessoas. Não só mais um produto revolucionário, e sim a extensão da experiência do usuário com os produtos existentes e por outro lado ainda fidelizando os clientes. Você pode não estar percebendo, mas as empresas já estão correndo pra isso.

Não entendeu? Foi de propósito :D. vamos por partes.

O que é o Ecossistema?

Como citei nos posts anteriores, hoje em dia as fabricantes perceberam que, além de features,  deve-se valorizar a experiência do usuário com seu dispositivo. E essa experiência se resume a Entrada e Consumo de dados, além da Mobilidade. É, só isso. Mas o pulo do gato atual é prover essas coisas, da forma mais confortável, nas ocasiões corretas e de um modo que seus dados estejam sempre lá. E que você não tenha que se adaptar entre a experiência de utilização entre os dispositivos…que seja completamente fluida e intuitiva. Isso é o que o Ecossistema vem prover.

O Ecossistema são divididos, atualmente em 4 pilares. Coloquei notas pra categorizá-los em termos de experiência, que vão de 0 – Inexistente a 5 – Ótima.

1 – SmartPhone – Consumo de Dados: 2, Mobilidade: 5, Entrada de Dados: 4

O pilar mais móvel. Está sempre com você já que é um telefone. Então, pra não ser desconfortável, deve ser pequeno o suficiente pra ser portátil. Com essa características, é o device perfeito pra fotos eventuais, e consultas rápidas às redes sociais, mensagens e Compromissos. Com seu teclado bem adaptado às mãos, especificamente aos dois polegares, é um bom dispositivo de entrada de dados rápidas. Bom também pra consumo de músicas e utilização de Apps úteis no cotidiano.

Ex.: Nokia Lumia, iPhone, Samsung Galaxy, PS Vita

2 – Tablet – Consumo de Dados: 3, Mobilidade: 4, Entrada de Dados: 3

Pilar também móvel, “pero no mucho”. Tela maior impede de levar no bolso, e a Entrada de Dados não é boa, já que, segurando com as duas mãos, toda a extensão do teclado não é alcançada. Acaba-se usando então com uma mão segurando, outra digitando, geralmente o indicador. Porém a tela maior ajuda a consumir dados melhor do que no SmartPhone, e quase tão bem como no PC. E diferente do PC, ele é muito menos trabalhoso pra se transportar, mesmo dentro de um mesmo ambiente.

Ex.: iPad, Galaxy Tab, um futuro “provável”  Tablet Lumia.

3 – Computador Pessoal/Laptop – Consumo de Dados: 3, Mobilidade: 3, Entrada de Dados: 5

O Pilar ainda menos móvel. Mas como a tela é geralmente maior que do tablet, e a entrada de dados é imbatível, tirando a telecinese. É o mais confortável de se consumir e inserir dados. Mas é chato de transportar. Geralmente, o trabalho corporativo é feito nele, já que geralmente tem um Hardware decente.

Ex.: Macbooks, Laptops Windows, Laptops Linux, Chromebook.

4 – Media Center – Consumo de Dados: 5, Mobilidade: 1, Entrada de Dados: 2

O Pilar praticamente imóvel. Mas tem um consumo de dados como principal foco. No caso, ele é o cara que você vai querer consumir a mídia que você baixou com os outros pilares, como filmes e jogos. Nada melhor do que você sentar no sofá, e ver um filme na sua TV, por exemplo. O único problema é o fato de que Entrada de dados é muito limitada. Até porque você provavelmente vai estar distante. Mas coisas como controle por gestos ou voz, além de poder usar o Celular como controle, melhoram essa experiência.

Ex.: XBox, Apple TV, Google TV, TVs Inteligentes(Samsung, Sony Bravia, LG), Playstation.

A Day in the Life

Então, qual é a grande sacada? A mudança no seu dia-a-dia.

– Em trânsito, use seu smartphone, claro. Redes Sociais, Músicas, Fotos, GPS, até Chat, sempre com você.

– Na sua estação de trabalho,  mudança de contexto pra Laptop. Nesse momento, não é necessário mais nenhum dos outros gadgets. Consumo e inserção de dados de forma confortável.

– Chegou em casa.

Vai ler? Pega o Tablet. Dá pra sentar no Sofá ou na cama e se divertir.

Vai jogar? Se o Media center for um Console de Vídeo-Game, acesse o conteúdo da nuvem, baixe seu jogo e bom divertimento.

Vai ver um filme? Liga o Media Center, prepare uma pipoca e aproveite seu sofá e sua TV de dezenas de polegadas. Ou pegue o tablet, e como o conteúdo está centralizado na nuvem, sente no seu quintal, puxe uma cerveja e have fun.

E como já disse, se você usa os produtos do mesmo ecossistema, seus dados estão sincronizados na nuvem dessa solução. Como exemplo, temos o Skydrive, da Microsoft e o iCloud da Apple. E o modo de interação com o dispositivo sendo o mesmo, a mudança de contexto é imediata. Por isso a Apple está correndo pro Mountain Lion e Apple Tv. Por esse motivo, a Microsoft vai unificar seus pilares pra rodarem todos com o mesmo Windows 8 e a mesma interface Metro.

Então veja o que falta pra completar sua coleção e curtir essa experiência em sua plenitude.

– Se você quer ir pro Ecossistema da Apple, tem que ter um iPhone, um iPad,  a Apple TV e um Mac. Meio caro, mas estão montando direitinho.

– Se preferir o ambiente Microsoft,  Um Laptop com Windows, um X-Box, um Windows Phone e o Tablet Windows. Mais em conta, principalmente se você já tem um PC com Windows. E ainda ganha um video-game de lambuja 😀

– Se quiser ir pro Google…esse ainda tá tentando se encontrar.

Nokia e Microsoft – Por que vai dar certo – Season Finale – O Terceiro Player

Continuação da série de artigos “Nokia e Microsoft – Por que vai dar certo”. Pra ver o post anterior clique aqui.

Connecting People – Put People First

Duas Marcas fortes. Uma especialista em Hardware, que costuma ser imbatível. Outra especialista em Software, que conseguiu fazer um ótimo trabalho e sempre manteve um ótimo relacionamento com os Desenvolvedores. Provavelmente um preço agressivo. Surge mais um Player muito forte. E pelo meio de duas empresas, que têm por característica, se reinventar.  Mas ainda não bati no ponto forte, no maior trunfo, na coisa que realmente vai revolucionar o modo como nos relacionamos com nossos gadgets: O Ecossistema. Mas isso é assunto pro próximo post, em breve.

Nokia e Microsoft – Por que vai dar certo pt.7 – Nokia strikes back

Continuação da série de artigos “Nokia e Microsoft – Por que vai dar certo”. Pra ver o post anterior clique aqui.

Nokia Strikes Back – Microsoft Joins the Party

De repente o Android virara um Frankenstein. Com a experiência do Meego, a Nokia simplesmente tomou uma decisão drástica. Não queria ser mais do mesmo abraçando o sistema do Google. Não queria o lugar comum das telas com ícones clicáveis, aliás, coisa que ela mesma criou, queria algo diferente. Mas não restava muito tempo, pelo “time- to-market” ela estava bastante atrasada, e as séries “low-end” não iam segurar o tranco por muito mais tempo. Não iria seguir o desenvolvimento do Meego, não poderia mais se dar ao luxo de fazer algo do zero. Olhou o mercado pra ver o que tinha de interessante e já pronto, ou quase. Então a Microsoft, que tinham o novo Windows Phone 7 no LG e no HTC, mas  de forma um tanto  tímida, e a Finlandesa, não sei por iniciativa de quem, sentaram pra uma conversa. A Microsoft queria se recuperar porque também ignorou o mercado e achou que o Windows Mobile ia viver pra sempre, correu atrás e criou uma nova metáfora, os Tiles, experiência positiva do Zune. Juntando, a Microsoft, cuja especialidade é desenvolver software, e a Nokia, que tem um “Brand” forte em Hardware. Pode dar certo.

Surge o projeto Lumia. O Hardware do N9 era muito bom. Aproveita  o bicho. Windows Phone é muito bom também. Junta um com o outro, quase um ano depois e têm-se os Lumia 800. Tive a oportunidade de tê-lo em mãos na Campus Party em 2012, usando no dia a dia por uma semana. Achei fantástico. Da Nokia, como já dito, pegou o design do N9, e os já tradicionais durabilidade da bateria, robustez, câmera de altíssima qualidade. Da Microsoft, toda experiência com erros e acertos em décadas de desenvolvimento de software, culminando em um SO bonito, prático e robusto. Juntou também uma integração visceral com as redes sociais.

“Hands-on” no Lumia 800.

Coloquei minhas contas do Live, Face, Twitter e Google  e de repente parecia que eu tinha esse telefone à séculos. Contatos e Calendários sincronizados, Timeline mesclada e disponível, celular conectado no Live, Gmail baixado e operante. Junte a isso que o Office já vem nativo, juntamente com o Nokia Drive Offline, que é fantástico(A Nokia gastou uma boa grana nisso) e as “Capabilities” do Bing, pra uma busca interna bem efetiva. E o melhor, sem eu perceber, minhas mídias foram sincronizadas no Skydrive!

E não é só isso! Lembre-se que a Microsoft teve aquela experiência com o Zune, então, o tocador de mídia nativo é o próprio. Inclusive a Interface metro nasceu dele. Logo a experiência com Mídia e Vídeos já foi experimentada e lançada como produto final. E não decepciona. Adorei não precisar do maledeto iTunes. Uma das razões do Jailbreak que fiz no iPhone foi justamente pra poder usar outro gerenciador de mídias.

Só faltam as Apps.

Mas até nesse aspecto, good news. A Microsoft disponibiliza uma IDE  fantástica para desenvolvimento de software O Visual Studio Express for Windows Phone, especificamente. A curva de aprendizado da IDE é simples, a linguagem é C# ou VB, E se você for estudante, tudo é de graça.

Somando o fato de que a Nokia vai lançar modelos do “mid-range” pro “High-end”, e o fato da Market Place da Microsoft não permitir aplicativos porcaria, está sendo muito atraente pra novos desenvolvedores. E com isso, a quantidade de Apps está crescendo muito(de 7K para 65K), inclusive os Ports de aplicativos que já existem em outras plataformas, essa é uma grande oportunidade dos devs monetizarem também com essa nova plataforma. Dessa forma, o gap de apps tende a diminuir agressivamente inclusive, com o port de alguns já existentes. Além do mais, Institutos Nokia do mundo inteiro, inclusive o de Manaus já possuem equipes trabalhando em vários projetos de apps para que isso não seja um ponto negativo pra quem pensa em comprar um WP.

Por fim, no próximo artigo, a conclusão dessa estratégia no post Season Finale – O Terceiro Player

Nokia e Microsoft – Por que vai dar certo – pt.6 – Mas…Mas, como assim Google?

Continuação da série de artigos “Nokia e Microsoft – Por que vai dar certo”. Pra ver o post anterior clique aqui.

 Que história é essa Google?

No fim de 2011, ums surpresa. A Google comete um movimento estranho ao adquirir a Motorola Mobility, mesmo com o discurso de que foi pelas patentes. Não por adquirir, mas por manter em atividade e dizer que a Motorola vai continuar produzindo seus smartphones. Deja vú do Google Phone. De repente, apesar de continuarem lançando Androids, o Bada vem resurgindo na Samsung. A própria Sony lançou o Vita pro seu PS, e já disse que ele funcionaria pra rodar em um SmartPhone e Tablets. Com a liberação do Web OS para a comunidade, a HTC começa a flertar com o SO da HP. Sendo que a HTC já lançou um Windows Phone. A LG já tem há mais de um ano. Começa-se a diferenciação…em parte. Se todos lançarem o Sistema Operacional de Redmond, cai-se no mesmo problema. Espera aí, eu falei Windows Phone?

No próximo artigo, a novíssima estratégia da Nokia pra virar todo esse jogo, no post Nokia Strikes Back

Nokia e Microsoft – Por que vai dar certo pt.5 – Corrida Maluca

Continuação da série de artigos “Nokia e Microsoft – Por que vai dar certo”. Pra ver o post anterior clique aqui.

Corrida Maluca – Todos querem o Robô

A Apple mostrara o caminho, a Google, que de grande qualidade pode-se mencionar que ela se adapta rapidamente às nuances do mercado, proveria o veículo, e era só todos embarcarem e estamparem sua marca pra tentar vencer essa corrida.

Vale ressaltar que a Google não é boazinha: quanto mais portas de entrada para a web passarem pelo seu veículo de busca, nesse caso móvel, mais ela fatura em propaganda, que é seu negócio de fato.

Nesse meio tempo, a Motorola, que já tinha sido uma gigante nesse mundo, só sobrevivia de “flavors” do V3. Muito mais do mesmo. Começou, obviamente a ir mal das pernas, pois seus telefones não eram muito baratos. Como o sempre teve o pior OS dos celulares(sério, muito ruim mesmo), teve a decisão acertadíssima de utilizar o Android. Salvou a empresa e deu a visibilidade inicial que o sistema da Google precisava. Vieram vários modelos, Droid, Razor, Milestone, Atrix. Mas o problema é que nunca foram muito baratos, e sempre focaram nos high end, em rivalizar com o iPhone. Mas no mínimo mostraram que existia uma alternativa. E na Motorola se faz uma prece ao “Big G” todo santo dia.

Motorla Milestone 2

A Samsung, cujo SO não se comparava a nada no mercado, resolveu adotar o Android e meter o bicho em todo nincho possível, e não teve o menor escrúpulo em chupar o máximo possível da interface do iPhone. E deu certo. Tem android pra todos os gostos, baratos, caros, tela grande, tela pequena, nesse meio tempo LG e HTC também entram no mundo dos androids. Com tanta disponibilidade, os Desenvolvedores começar a disponibilizar seus Apps pro sistema. Agora também ZTE(que não sabia nem que existia), Sony(Sei, já faz algum tempinho) e Panasonic(que não sei nem por onde andava).

Samsung Galaxy x iPhone

Então, praticamente todas as fabricantes têm Android. Como se diferenciar? Sobrou o Hardware. É, como há uns 10 anos atrás. Então você vê de tudo. Processadores MultiCore, telas dos mais variados tamanhos, câmeras das mais variadas configurações. Todos lançam tanta coisa que você vê todo mundo com tudo. Uma verdadeira salada e cada uma configurando o android do seu jeito, causando uma fragmentação incrível. Soma-se isso ao fato da liberdade que o Android te dá, tanto pra instalar aplicativos de terceiros quanto pra publicar qualquer coisa na loja, sem aprovação. Resultado? Vírus, aplicações que matam outras, consomem muitos recursos, uma “Casa da mãe Joana” de bolso. Fiz bem em manter meu iPhone.

Mesmo Hardware, mesmo SO, mesmos problemas. Sobra o que pra tornar seu SmartPhone único? A Marca? O Preço? Talvez algo mais.

Mas algo mudou nesse meio tempo com uma surpreedente aquisição. Mostro no post Mas…Mas, como assim Google?